Clássicos da Ficção 1/13: 1984 - George Orwell

março 02, 2017

Guerra é paz, liberdade é escravidão, ignorância é força.
É assim que o livro te aborda.
Num mundo em constante guerra, onde as classes sociais são separadas por castas, o Partido toma conta de tudo e todos. Onde ter sentimentos ou expressar uma opinião pode te levar à ser entregue pela Policia do Pensamento. Toda a desgraça tem uma pitada de sarcasmo, o que torna a história ser até engraçada em certos momentos, e quão irônico são os departamentos regentes do Partido. Tudo o que é feito é em prol ao Grande Irmão, este que deve ser respeitado e saudado.
O livro tem linguagem própria e conta com Winston como seu personagem principal. Caro Winston é um sujeito comum, vive sua vida à mercê do Grande Irmão, toma seu gin todo santo dia, sem graça alguma na vida.
" A coisa era-lhe duplamente atraente por ser inútil. "
Como em 1984, o Partido quer abolir tudo quanto é palavra que tenham sinônimos, está refazendo o dicionário com a Novolíngua, assim as pessoas não tem que pensar muito ao falar/escrever. O Partido cuida de tudo e todos. 
Amei o ritmo de leitura (mesmo eu tendo lido em intervalos), conta com tantas palavras diferentes que fui encontrando, acho que deu uma boa engordada no meu vocabulário.
Nesse momento, eu, estou incapaz de transferir tudo o que senti com o livro. A história é tão plausível que chega estar perto da realidade que vivemos. O livro consegue ser atemporal em vários fatos e a imaginação voa por todo o enredo. 
 " Viver dia a dia, semana a semana, esticando um presento que não tinha futuro, parecia um instinto irresistível, como nossos pulmões sempre procuram inspirar, enquanto existe ar. "
 Não me coube vergonha em grifar imensas linhas que, de um modo bizarro, falavam de tudo o que vem acontecendo ou aconteceu e, o que todos algum dia já sentiu. 2016 foi 1984, for sure
Winston tenta ser o protagonista de sua vida, assim conseguimos no colocar no lugar dele na trama e até entender seus pensamentos tristes e egoístas.

De fato que, 1984 é um complemento extraordinário de Admirável Novo Mundo e, até um pouco mais espantoso em sua utopia que parece mais mundo real.  A crítica social embutida nos faz pensar que estamos vivendo 1984. O livro em si é uma crítica feroz.
" Não era desejável que os proles tivessem sentimento político definido."
O livro prova que a vida, nesta terra, é um ciclo sem fim. A crítica à sociedade é tão intensa que chega à dar arrepios. É um livro pra vida, todo mundo tem que ler ao menos uma vez.
E já que não tive a capacidade de manifesto sobre Admirável Muno Novo, quero que você leia a resenha da Jaque do 4sphyxi4, que conseguiu expressar tudo (e mais um pouco) do que senti lendo o livro. 
Tecnologia do Blogger.